Bernardo Sassetti

Bernardo SassettiBernardo Sassetti faleceu no dia 10 de Maio de 2012 e deixa muitas saudades. O seu apoio e contributo às iniciativas da Estímulo ficarão, para sempre, marcadas pelo seu talento e generosidade.

Obrigado por tudo, Bernardo.

Nasceu em Lisboa em Junho de 1970. Iniciou os seus estudos de piano clássico aos nove anos com a professora Maria Fernanda Costa e, mais tarde, com o professor António Menéres Barbosa, tendo frequentado também a Academia dos Amadores de Música. Dedicou-se ao Jazz, estudando com Zé Eduardo, Horace Parlan e Sir Roland Hanna. Em 1987 começou a sua carreira profissional, em concertos e clubes locais, com o quarteto de Carlos Martins e o Moreiras Jazztet; participou em inúmeros festivais com músicos tais como Al Grey, John Stubblefield, Frank Lacy e Andy Sheppard.

Nos primeiros 15 anos de carreira, apresentou-se por todo o mundo ao lado de Art Farmer, Kenny Wheeler, Freddie Hubbard, Paquito D’Rivera, Benny Golson, Curtis Fuller, Eddie Henderson, Charles McPherson, Steve Nelson, integrado na United Nations Orchestra e no quinteto de Guy Barker com o qual gravou o CD “Into the blue” (Verve), nomeado para os Mercury Awards 95- Ten albuns of the year.

Em Novembro de 1997, também com Guy Barker, gravou “What Love is”, acompanhado pela London Philarmonic Orchestra e tendo como convidado especial o cantor Sting.

Como compositor destacam-se as suites “Ecos de África”, “Sons do Brasil”, “Mundos”, “Fragments (Of Cinematic Illusion)”, “Entropé” (para piano e orquestra) e “4 Movimentos Soltos” (para piano, vibrafone, marimba e orquestra). O seu primeiro trabalho discográfico como líder, Salsetti (Groove/Movieplay), foi gravado em Abril de 1994 com a participação de Paquito D’Rivera; o segundo, “Mundos” (Emarcy/Polygram), em Janeiro de 1996; “Nocturno”, lançado pela editora Clean Feed em 2002, foi distinguido com o 1º prémio Carlos Paredes. “Indigo” e “Livre” são outras das suas gravações de piano solo para a mesma editora.

Dedicou-se regularmente à música para cinema, tendo realizado vários trabalhos, de entre os quais se destaca a sua participação no filme do realizador Anthony Minguella – “The Talented Mr. Ripley” (Paramount/Miramax). Para este projeto gravou “My Funny Valentine” com o ator Matt Damon, entre outros temas. Compôs igualmente, em parceria com o trompetista Guy Barker, uma série de temas para serem apresentados na Premiére deste filme realizada em Los Angeles, Nova Iorque, Chicago, Berlim, Paris Londres e Roma.

Os seus mais importantes trabalhos de composição para cinema são os seguintes: “Maria do Mar” de Leitão Barros, “Facas e Anjos” de Eduardo Guedes, “Quaresma” de José Álvaro Morais, “O Milagre Segundo Salomé” de Mário Barroso, “A Costa dos Murmúrios” de Margarida Cardoso, “Alice” de Marco Martins, o documentário “Noite em Branco” de Olivier Blanc e a curta-metragem “As Terças da Bailarina Gorda” de Jeanne Waltz. Como solista, participou também no filme “Pax” de Eduardo Guedes e na curta-metragem “Bloodcount” de Bernard McLoughlan.

Como concertista, apresentou-se em piano solo, em trio com Carlos Barretto e Alexandre Frazão ou em duo com o pianista Mário Laginha, com quem gravou os CD’s “Mário Laginha/Bernardo Sassetti” e “Grândolas” (uma homenagem a Zeca Afonso e aos 30 anos do 25 de Abril).